Oyá, Senhora do Entardecer 
Reino Vegetal - Energias Sutis
Reino Vegetal - Energias Sutis

 

Na antiguidade nasceu Felipe Aureolo Teofrasto Bombasto de Hohenheim em Einsiedeln, no dia 10 de novembro de 1493, que a partir de 1510 ficou conhecido pelo nome de Paracelso e, embora muito raramente o incluísse em sua assinatura é certo que o estampou em suas grandes obras filosóficas e religiosas, do mesmo modo seus discípulos o chamavam de Paracelso.

Paracelso cresceu acompanhando as andanças pela natureza com seu pai e armazenou vários ensinamentos como nomes e virtudes das ervas e plantas medicinais bem como, os diversos modos de usá-las. Conheceu os venenos e seus antídotos bem como, a arte de preparar toda espécie de poções medicinais. Nessa época, na Europa a Farmácia não era ainda reconhecida, ao contrário do que se dava na China, no Egito, na Judéia e na Grécia, milhares de anos antes da era cristã. Com efeito, a primeira farmacopeia pertence a Nuremberg data de 1542, o ano seguinte à morte de Paracelso.

Ainda muito jovem, Paracelso foi enviado à famosa escola dos beneditinos do mosteiro de Santo André, no Lavantal, a fim de lhe ser ministrada a instrução religiosa. Foi aqui que ele se tornou amigo do bispo Eberhard Baum-gartner, que era considerado um dos alquimistas mais notáveis de seu tempo. Tamanho foi o ardor com que Paracelso se dedicou aos seus trabalhos de laboratório, tanta a sua força de observação nos fenômenos que estudava, que imediatamente se viu em condições insuperáveis para começar a executar um trabalho que se antecipava ao seu século. Além disso, teve a dita de contar com o clima da Caríntia que favoreceu grandemente seu desenvolvimento físico, logrando com isto desfrutar duma saúde quase perfeita.

Logo depois transferiu-se Paracelso para Basileia, onde fez grandes progressos no estudo das Ciências Ocultas. Naqueles tempos era impossível dedicar-se à medicina sem conhecer profundamente a astrologia. A ciência experimental estava ainda por nascer. Todos os conhecimentos que se adquiriam nos colégios ou conventos eram puramente dogmáticos: seus ensinamentos eram conservados respeitosamente durante muitos séculos.

Os estudos levaram Paracelso ao estudo dos componentes dos reinos animal, vegetal e mineral e os classificou entre os quatro elementos fogo, ar, água e terra, pois os mesmos se acham presentes em todos os corpos e separáveis uns dos outros.  O sábio Paracelso com suas investigações sutis, soube desvendar segredos da Natureza e trazer a cura para as doenças. Hoje em dia a ciência, graças aos métodos científicos e aos inúmeros laboratórios com alta tecnologia, explica melhor a metodologia utilizada.

Botânica Oculta

Para se conhecer a fundo o mundo das plantas do ponto de vista do Ocultismo, se torna absolutamente necessário estudá-las em suas relações com o Macrocosmo (Universo) e com o Microcosmo (o homem), de acordo com as teorias de Paracelso.

A Botânica Oculta é muito extensa e muito complexa e requer um estudo profundo sobre a Fisiologia Vegetal a qual levará ao estudo das forças vitais que, em sua constante evolução, constituem seu alimento e desenvolvimento e sobre a Fisiognosia Vegetal, ciência das Correspondências Astrais, que nos ensinará a conhecer, por seu aspecto exterior, as forças secretas de cada uma das plantas.

 

  1. Fisiologia Vegetal

Anatomia - Nada mais simples do que a estrutura da planta. As partes anatômicas se reduzem a três e são elas, precisamente, as que, individualizando-se, formam todos os órgãos.

-  A massa geral da planta é formada pelo tecido celular, que pode ser classificado como órgão digestivo da mesma. (Raiz: individualização dos tecidos celulares; intestino da planta: semente, embrião.)

- Os intervalos entre as células ordinariamente hexagonais formam os canais que se estendem por toda a planta e conduzem a seiva com a qual a mesma se nutre. Estes canais ou condutos intercelulares são, portanto, para as plantas o que os vasos sanguíneos e as veias são para os animais. (Caule: individualização das veias; sistema sanguíneo da planta; invólucro: órgão fêmea.)

- No tecido celular da maioria das plantas, existem outros canais que são formados por uma fibra contornada em espiral que conduz o ar por toda a planta. Estes canais, ou vasos em espiral, são para a planta o que as traqueias são para os animais. E é assim que são chamados: traqueias das plantas.    (Folhas:    individualização das traqueias, pulmões da planta).

O desenvolvimento embrionário da planta compreende as seguintes fases.

- Localização da semente numa matriz propícia, terra úmida.

- As três partes do germe começam a vegetar, alimentando-se dos cotilédones.

- A raiz começa a absorver as substâncias nutritivas da terra. A planta se individualiza em suas funções respiratórias e digestivas, ou seja, nasceu.

O Caule: aparelho circulatório, cujos vasos contêm:

 - A seiva ascendente parecida com o quilo (substância branca, o mais sutil dos alimentos).

- O ar absorvido pelas folhas.

- O resultado da ação do ar sobre a seiva nutritiva, ou seja, a seiva ascendente.

- As Flores, resultado da força supérflua, lugar dos aparelhos de reprodução.

O grão ou semente se compõe das seguintes partes:

- O germe, que por sua vez é formado por: a pequena raiz (futuros órgãos abdominais); o broto ou ver-gôntea (futuros órgãos respiratórios); o pequeno caule (futuros órgãos circulatórios, centro geral de evolução). Tudo isto análogo aos três desenvolvimentos do embrião humano.

- Os cotilédones: materiais destinados à nutrição do germe. (Órgãos análogos à placenta).

Contendo em si a árvore em todo o seu poder de crescimento, cada grão encerra um Misterium Magnum; por conseguinte, no desenvolvimento do grão ou semente encontraremos a imagem invertida da criação do mundo.

A árvore começa a manifestar-se desde o momento em que o grão foi submergido em sua matriz natural, a terra. Contudo, por si só a terra não é mais do que uma matriz passiva, portanto, não pode desenvolver a fagulha vital ou iluminar o Ens da semente a fim de que os três princípios Sal, Enxôfre e Mercúrio se   manifestem nela. A luz e o calor do sol são necessários para que isto aconteça; somente por meio deles se animará o fogo frio subterrâneo. Então o grão, levado pela força deste desenvolvimento, passa por sua ulterior evolução.

Crescimento do Grão - Portanto, já estamos compreendendo três Ens, três dinamismos em reação mútua, abrangendo uma sua trindade de princípios, Sal, Enxofre e Mercúrio: o Ens da terra, o Ens do grão e o Ens do sol. O primeiro e o último Ens exigem, por efeito de uma tração magnética, o desenvolvimento do germe nos sentidos opostos, de onde resultam a raiz e o caule que, conforme é sabido exercerá na vida da planta funções de analogia contrária.

Da harmonia resultante destes três Ens, depende o perfeito estado do caule (liso, esverdeado ou nodoso e negro) e das raízes (múltiplas e robustas ou secas e delgadas).

Crescimento da Raiz - Do ponto de vista dos três princípios, é sabido que a vida e a sensibilidade (magnética) residem no Mercúrio. O Mercúrio subterrâneo dos minerais, quase sempre venenoso e carregado de impurezas, encontra-se literalmente no inferno, quer dizer: para a sua própria atividade não encontra outro alimento nem outro objeto do que a si mesmo.

Por conseguinte, é só uma vibração solar chegar a ele, que a torna sua, absorve-a totalmente dentro do seu corpo o sal e o enxofre, ambos intimamente unidos à sua essência. Então a terra se abre; seus átomos obtêm uma liberdade relativa e o corpo plástico, o Sal, que permanecia num entorpecimento Saturnino, torna-se suscetível de atração e vê-se, efetivamente, atraído pelos Ens do germe, em seus elementos homogêneos.

Crescimento do Caule - Em geral, em sua parte mais baixa, o caule é branco, até a metade é escuro e na sua parte mais alta é verde. O branco indica a tendência no sentido da expansão subitamente libertada das potências construtivas da raiz, a cor escura significa uma expressão Saturnina, resultado da maldição divina, o córtice é a parte do vegetal que se acha no limbo.

Porque, se o Grande Mistério está representado também nas árvores, o reino vegetal foi alcançado, como toda a Criação, pelo pecado de Adão; mas, na beleza das flores e na doce maturação dos frutos, descobrem-se, ainda mais do que em outras criaturas, os esplendores do Paraíso. Finalmente, a cor verde representa o sinal da vida Mercurial, que serpenteia no Júpiter e na Vênus das ramagens.

A Árvore - Sem dúvida alguma, a árvore constitui o tipo mais perfeito de todos os seres vegetais; nela encontramos as influências das estrelas, dos elementos, do Spiritus Mundi e o Misterium Magnum, que é por si mesmo Fogo e Luz, Ódio e Amor, como verbo pronunciado pelo Pai Eterno.

Produção dos Nós - O arbusto cresce devido à emulação mútua dos dois Ens, do sol exterior e do sol interior, que cumpre com sua missão até o fim natural, que consiste na produção de um liquido doce que proporciona a flor, os elementos de sua forma elegante e de suas belas cores.

É sabido que as sete formas da Natureza exterior exercem na planta sua influência na seguinte ordem: Júpiter, Vênus e a Lua cooperam de um modo natural na ação expansiva de seu sol interior; Marte, porém, exagera dita expansão, de vez que este não é outra coisa senão o espírito ígneo do Enxofre, a vida mercurial se junta diante dele e Saturno chega a congelação e à corporificação deste turbilhão; é assim que se produzem os nós.

Produção dos galhos - Os galhos são o resultado da batalha travada pelas forças naturais em pleno movimento, quando desejavam conservar a comunicação com o sol exterior. São, por assim dizer, as gesticulações da planta, que se sente oprimida e que quer viver em liberdade e por sua vontade própria. Do mesmo modo que no homem a força vital faz sair os venenos interiores sob a forma de furúnculos, assim o calor vital da árvore obriga-a a produzir brotos e ramificações, principalmente quando o chamamento do Ens exterior é o mais poderoso, como acontece na primavera.

Em outros termos, o desejo da vida mercurial ou o Sal, encerrado em Saturno, luta desesperadamente, aquece-se e converte-se em Enxofre; este Enxofre dá um novo impulso a seu filho, o Mercúrio; este mostra tendência a expandir-se; e Vênus fornece a substância plástica dos brotos e dos galhos.

 

As plantas são divididas em dois grupos: as fanerógamas e as criptógamas.

Fanerógamas

São plantas com sementes, por meio das quais elas se reproduzem também chamadas espermatófitos ou espermáfitos. Possuem raiz, caule, folhas e sementes. Alguma tem folhas e frutos, outras não. Exemplos desse grupo são: a mangueira, o pinheiro, o capim, a roseira, a alface, o agrião, a mandioca, etc. As fanerógamas dividem-se em dois subgrupos:

- Angiospermas: são plantas que possuem frutos. Exemplos: limoeiro, tomateiro, pessegueiro. É o grupo vegetal mais bem adaptado ao planeta. São plantas que possuem raiz, caule, folhas, flores, frutos e sementes. A flor é a estrutura reprodutiva dessas plantas. Nela, encontramos o ovário e os óvulos. Após a fecundação, os óvulos se transformam em fruto. Os frutos auxiliam a dispersão das sementes, mesmo quando alguns animais, como aves e mamíferos, os ingerem. Nesse caso, a casca impede a digestão da semente, a semente é depositada, com fezes do animal, longe da planta-mãe. A semente germina e da origem a uma nova planta. Nas sementes, existe uma estrutura chamada cotilédone. Com base nessa estrutura, as angiospermas são divididas em duas classes:

Monocotiledôneas: plantas em cujas sementes há apenas um cotilédone. Exemplos: lírios, orquídea e milho

Dicotiledôneas: plantas em cujas sementes existem dois cotiledôneas. Exemplos: rosa, girassol e feijão.

- Gimnospermas: são plantas sem frutos. Tem folhas pequenas e pontiagudas. O grupo de gimnospermas mais conhecido é o das coníferas. Exemplos: pinheiro, cipreste e a sequoia. As gimnospermas possuem estruturas especiais de reprodução chamadas estróbilos, ou cones (daí o nome coníferas). Algumas espécies apresentam árvores só com estróbilos masculinos e árvores só com estróbilos femininos. Na maioria os estróbilos femininos e masculinos se encontram nas mesmas árvores. Quando os estróbilos masculinos se abrem liberam grande quantidade de grãos de pólen. Os grãos de pólen são as estruturas reprodutoras masculinas, que contém a célula sexual. Levados pelo vento, os grãos de pólen vão fecundar os óvulos no estróbilo feminino. Os óvulos fecundados desenvolvem-se dando origem às sementes que no pinheiro-do-paraná, recebem o nome de pinhão. As sementes permanecem protegidas nos estróbilos femininos, que passam a ser denominadas pinhas. Ao amadurecer, a pinha se abre liberando as sementes. Estas ao germinar darão novas plantas.

Criptógamas

São plantas que não possuem sementes, nem flores e frutos. Algumas não possuem raiz, nem caule, nem folhas verdadeiras; outras são formadas apenas por um talo. São exemplo desses grupos as algas, os musgos (briófitas) a avenca e a samambaia (pteridófitas).

Briófitas: compreendem os musgos e as hepáticas. São vegetais extremamente pequenos, sendo formados por rizoides, cauloides e filoides. São plantas avasculares (sem condutores de seiva ou alimento)

Pteridófitas: compreendem samambaias e avencas. São os primeiros vegetais vasculares. Possuem o corpo dividido em raiz, caule e folhas.

 

  1. Fisiognosia vegetal

Os Astros e as Plantas

 

Uma vez que todos os planetas de nosso sistema solar orbitam aproximadamente o mesmo plano, vemos o Sol e os planetas desfilarem pelo céu sempre pelo mesmo caminho aparente. Este caminho percorrido pelos planetas, que leva o nome de Zodíaco, está dividido em doze constelações distribuídas em quatro grupos de três. Cada grupo está ligado a um dos elementos: terra, fogo, ar e água.

Todos os planetas influenciam o reino vegetal de modo a imprimir nele suas principais características, mas o Sol e a Lua a exercem sua influência de maneira mais acentuada. Eis a influência dos planetas numa árvore:

Flores: Vênus

Sol: Toda a planta.

Frutos: Júpiter Folhas: Lua Cascas e sementes: Mercúrio Tronco: Marte Raízes: Saturno

A Lua, embora exerça maior influência sobre as folhas, à medida que passa pelas constelações transmite ao solo, e também ao reino vegetal como um todo, forças que vão beneficiar todas as suas partes. Por exemplo:

- Raízes: serão beneficiadas pela passagem da Lua pelas constelações regidas pelo elemento terra; - Folhas e caules: serão beneficiados pela passagem da Lua pelas constelações regidas pelo elemento água; - Flores: serão beneficiadas pela passagem da Lua pelas constelações regidas pelo elemento ar;

- Frutos e sementes: serão beneficiadas pela passagem da Lua pelas constelações regidas pelo elemento fogo.

As fases da Lua também participam do processo vital dos vegetais. Através dos tempos, o homem observou que as fases da Lua estão ligadas ao aproveitamento correto da luminosidade que, embora menos intensa que a solar, penetra mais fundo no solo e, assim, acelera o processo de germinação das sementes. Dessa maneira, as plantas que recebem mais luminosidade lunar na sua primeira fase de vida, tendem a brotar rapidamente, desenvolvendo mais folhas e flores, realizando a fotossíntese com mais eficácia. Então:

Lua Nova é boa para fazer podas, capinar o mato (porque demora mais para crescer), colher raízes suculentas e fazer adubação;

Lua Crescente é boa para preparar a terra; semear e colher folhas e frutos; fazer enxertos; plantar flores e folhagens em vasos;

Lua Cheia não é boa para plantar nem transplantar e muito menos capinar, pois o mato cresce mais rapidamente. A seiva das plantas concentra-se toda nas extremidades e o ideal é não mexer nas plantas;

Lua Minguante é boa para plantar e colher raízes; colher e armazenar grãos.

A seguir, a descrição das principais características das plantas segundo a influência planetária que sofrem assim como alguns exemplos de plantas que representam, no reino vegetal, as energias de cada um desses planetas.

Sol - são de altura média com flores geralmente amarelas com frutos bons de sabor agridoce. Movimentam-se na direção do Sol ou tem a figura deste em suas flores, folhas ou frutos. Algumas permanecem sempre verdes e são muito aromáticas. Tem grandes poderes mágicos e curativos. São usadas por suas virtudes de adivinhação, medicinais e contra “maus espíritos”. A maioria das plantas medicinais são solares. Exemplos: Artemísia, nogueira, tanchagem, marcela, estigma de milho, erva-cidreira, canela, calêndula, babosa, arruda, alecrim, erva-de-são-joão, laranjeira, camomila, açafrão, louro, melissa, girassol.

Lua - são de folhas grandes ou pequenas, mas abundantes; as flores são brancas ou de cores claras; os frutos são de gosto insípido e sem cheiro e em geral são de aparência bizarra; vivem na água ou bem perto dela; são frias, leitosas, narcóticas e anti-afrodisíacas; costumam ser usadas nas práticas de feitiçaria. Exemplos: agrião, erva-pombinha, tília, chapéu-de-couro, bananeira, abóbora, violeta amarela, trevo, margarida, lírio branco.

Marte - muitas são espinhosas e provocam ardor ao tocá-las. Os frutos podem ser venenosos, são ácidos, amargos e de gosto picante. Em geral são arbustos pequenos, com flores pequenas e vermelhas e podem ser prejudiciais à visão. Exemplos: orégano, coentro, cajueiro, guaraná, cardo-santo, alho-poro, alho, erva-de-bicho, alcachofra, uva-uris, arruda, losna, urtiga.

Mercúrio - possuem folhas pequenas e de cores variadas; produzem flores e folhas, porém não frutos; são sinuosas ou ondulantes e de tamanho médio; as flores geralmente são amarelas, de odor penetrante, com sabores diversos, mas um tanto adstringentes. São plantas normalmente relacionadas com a mente ou trabalhos na esfera mental. Exemplos: valeriana, sete sangrias, guaco, eucalipto, erva-lanceta, capim-cedrão, canela-sassafrás, salsaparrilha, manjerona, hera, funcho, alfazema, acácia.

Júpiter- são plantas grandes, rústicas, com frutos abundantes e de aspecto esplendoroso. Os frutos são doces e as flores são muito bonitas, mas sem perfume, em geral azuis, brancas e violetas. Algumas vezes, as árvores podem esconder as flores. Exemplos: boldo, bacurau, anis, abacateiro, sálvia, sabugueiro, pitangueira, picão, pau-ferro, jurubeba, jambolão, dente-de-leão, carvalho, carqueja, cardamomo, camomila.

Vênus - são afrodisíacas, com perfume quase sempre suave; produz sementes em abundância e se dá frutos, são doces e com aroma agradável; são plantas pequenas, muito floridas, com flores alegres e belas (cor de rosa) e possuem muitas flores, mas sem frutos. Exemplos: stévia, hortelã, gengibre, erva-da-vida, erva-de-bugre, catuaba, catinga-de-mulata, algodoeiro, tomilho, poejo, mil-em-rama, malva, cerejeira, badana, sabugueiro, violeta, rosa.

Saturno - são plantas melancólicas, tristes, sinistras, sombrias, pesadas e de caule duro; grandes e de forma rara. Produzem frutos sem flores de sabor amargo, acidulado e/ou acre. Se houver flores estas são, geralmente, sombrias, cinzentas ou negras. A reprodução é sem sementes, são resistentes e narcóticas e crescem lentamente. Exemplos: aroeira, avenca, cavalinha, cipreste, cominho, cancorosa, espinheira santa, salsa, ipê-roxo, erva-mate, bolsa-de-pastor, amor-perfeito.

 

As plantas e os quatro elementos da natureza

As plantas compreendem os segredos dos alquimistas e transmutam os elementos da natureza diariamente, transformando carbono em oxigênio, fósforo em enxofre, nitrogênio em potássio, água em ar (vapor), ar em fogo (relâmpagos), fogo em água (chuva).

As quatro correntes elementais (fogo, água, terra, ar) sustentam a vida de todo o planeta e a relação dos elementos com as plantas é que eles determinam a natureza interna da planta. Podemos dizer que a planta é o corpo físico de um ser Elemental.

Uma planta do elemento Fogo terá características desse elemento: plantas quentes, não precisam de muita água, têm ações drásticas. Possuem o poder de curar as doenças mais difíceis, como: Alecrim, Açafrão, Amêndoas, Angélica, Arnica, Arruda silvestre, Artemísia, Barbatimão, Baunilha, Basílio, Camomila, Canela, Carvalho, Cebola, Celidônia, Cevada, Coentro, Dill, Erva-Cidreira, Erva-Doce, Erva de São João, Girassol, Junípero, Laranjeira, Loureiro, Nogueira, Noz, Olíbano, Oliveira, Peônia, Poejo, Sangue de Dragão, Sangue Vermelho. Sene, Tanchagem, Videira.

As plantas de Água são frias, úmidas, leitosas, precisam de muita água para sobreviver, e são um pouco narcóticas e anestésicas, como: Algodão, Camomila, Cevada, Colônia, Dama da Noite, Freixo, Gardênia, Hera. Iris, Junco, Laranja, Maçã, Malva, Meimendro, Mirra, Murta, Nenúfar, Rosa Branca, Salgueiro, Tília, Violeta africana.

Plantas de Ar são aromáticas, têm sabor acidulado e grande poder curativo, como: Anis, Avelã, Benjoim, Camomila, Cipreste, Cominho, Eucalipto, Cominho, Eucalipto, Erva-Cidreira, Ervilha de Cheiro, Hortelã, Jasmim, Lavanda, Madressilva, Manjerona, Margaridas, Noz- moscada, Sabugueiro, Salsa, Sândalo, Tomilho, Trevo, Violeta, Visco.

Plantas do elemento Terra possuem um aspecto melancólico, quase não se vê as sementes, escondem as suas flores, às vezes têm um odor penetrante, como: Alfafa, Cavalinha, Cipreste, Jasmim, Mandrágora, Patchuli, Salgueiro, Sálvia, Samambaia, Valeriana

Podemos dizer, portanto, que o conhecimento da natureza interna da planta só pode ser possível mediante a investigação do elemento a qual pertence. A meditação é um instrumento que pode nos auxiliares a obter esse conhecimento. As plantas trazem consigo sinais muitas vezes claros quanto à sua natureza.

Todos os ocultistas que trabalham com plantas sabem que é preciso manipular o seu Elemental para sanar os males físicos e da alma humana doente.

 

Fitoterapia

A fitoterapia é a ciência que estuda a utilização de produtos de origem vegetal com finalidades terapêuticas, sendo para prevenir, atenuar ou curar um estado patológico. A palavra fitoterapia é formada por dois radicais gregos: fito vem “phyton”, que significa planta, e terapia vem de “therapia”, que significa tratamento, ou seja, tratamento em que se utilizam plantas medicinais. Sabe-se que mais de 40% de toda a matéria-prima dos remédios encontrados hoje nas farmácias são proveniente s do Reino Vegetal. O tratamento fitoterápico deve ser acompanhado por especialistas da área.

O princípio básico da Homeopatia, a lei da similitude, diz: “Semelhante cura semelhante”. Tal princípio nada mais é do que uma utilização prática, a nível da saúde, da lei universal descrita por Paracelso. Isso explica a afirmação Hipocrática de que um médico que não conhecesse a astrologia não estava preparado para o exercício de sua profissão.

Na Idade Média, os médicos-astrólogos acompanhavam a saúde dos reis através de suas cartas astrológicas. Na Renascença, astrônomos conceituados como Copérnico e Kepler levaram a uma ampliação do crédito da astrologia. Nos dias atuais, pode parecer bizarro a união entre a medicina e a astrologia e nem poderia ser de outra forma, já que a medicina tem se tornado uma ciência da especialização e da divisão. No entanto, a medicina homeopática prioriza o homem como um todo, e nesse sentido continua sendo fiel aos princípios hipocráticos.

Em seu estudo sobre alquimia, Paracelso afirmou: “A fim de alcançar o verdadeiro significado da alquimia e da astrologia, é necessário ter uma clara concepção da íntima relação e identidade do microcosmo com o macrocosmo, e de sua interação. Todas as forças do universo estão potencialmente presentes no homem e no seu corpo; todos os órgãos humanos nada mais são do que produtos e representantes dos poderes da Natureza”.

Algumas das formas da astrologia auxiliar o homeopata em sua busca da totalidade e de uma compreensão mais ampla do paciente são:

- A identificação de áreas de vulnerabilidade e de sofrimento, tanto a nível emocional quanto físico.

- Através de uma anamnese mais dirigida, o homeopata pode descobrir “pontos frágeis” que de outra forma poderiam passar desapercebidos.

- Fica mais fácil conhecer em profundidade um paciente que, por exemplo, se limite a seus sintomas físicos, não oferecendo ao médico dados de seu temperamento, já que o mapa astrológico revela características da personalidade do indivíduo.

- Com bebês ou crianças pequenas o homeopata fica limitado ao relato dos pais. O mapa astrológico auxilia no reconhecimento prévio do potencial daquela personalidade, ajudando na eleição de medicações mais adequadas.

- Através dos trânsitos, ou seja, dos ciclos astrológicos, o médico pode acompanhar o paciente em seus processos de vida, já sabendo com uma certa antecedência em que momentos a energia vital poderá ser alterada pelas inevitáveis mudanças da vida, espelhadas no mapa astrológico.

E estas são apenas algumas das utilizações da astrologia na homeopatia. Tanto uma como a outra utilizam a mesma linguagem, ou seja, a visão do todo baseando-se no mesmo princípio universal. É chegado o momento de se resgatar instrumentos que colaborem para o bem-estar do homem enquanto indivíduo e enquanto coletividade. A astrologia e a homeopatia estarão, juntas, trilhando importantes caminhos para atender à ânsia do ser humano em se religar com a harmonia do Universo.

 

Aura das plantas – Energias Sutis

Todas as plantas, qualquer que seja o seu porte, são dotadas de sistemas energéticos próprios, além de um campo energético que as circunda, o qual, embora não seja habitualmente chamado de Aura , apresenta algumas características semelhantes às da Aura dos seres humanos e dos animais. Em muitos casos, os padrões energéticos ao redor das plantas aparecem como uma extensão iridescente de sua estrutura básica e de suas cores.

A energia aura das plantas tem uma forte influência na aura dos seres humanos e pode ter efeitos positivos ou negativos. Denomina-se negativas aquelas plantas cujas auras podem exercer uma influência desfavorável, por uma forte absorção de oxigênio ou por serem venenosas, como a magnólia.

As positivas, são àquelas que têm propriedades aromáticas e medicinais, e possuem uma cor esbranquiçada, às vezes cintilante. O pinheiro e o eucalipto são árvores de aura brilhante, desta forma são árvores curativas.

Amarelo - Significa falta de vitalidade, especialmente se a tonalidade do amarelo for muito fraca.

Azul - Indica propriedades tranquilizantes e analgésicas.

Cristal - Tanto pode significar positividade quanto falta de vigor e venerabilidade.

Dourado - Simboliza a suavidade e fluidos positivos.

Laranja - Indica a produção de sementes e flores.

Verde - Demostra a emissão de fortes ondas de energia positiva, sendo muito comum nos vegetais dotados de propriedades curativas.

Vermelho - Está associada ao crescimento.

Violeta - Sinal de uma força positiva.

 

O Relógio Cósmico

O Relógio Cósmico é dividido em quatro quadrantes, que correspondem aos quatro Elementos da Natureza (Fogo/Ar/Água/Terra) igual ao corpo do Homem, que está dividido em quatro corpos: Físico, Mental, Emocional, Espiritual. Os quatro Elementos interagem com os quatro corpos, ou seja: Físico – Terra, Mental – Ar, Emocional – Água, Espiritual – Fogo. Desta forma, procure usar as ervas de acordo com o horário em que o Elemento está regendo dentro das 12h solares e as 12 lunares, para uma perfeita sintonia com o Cosmo.

Das 12 às 3h – Plano Espiritual/ Elemento Fogo, ou seja, use ervas regidas por este Elemento.

Das 3h1 às 6h – Plano Mental/Elemento Ar, ou seja, use ervas regidas por este Elemento.

Das 6h1’ às 9h – Plano Emocional/Elemento Água, ou seja, use ervas regidas por este Elemento.

Das 9h1’ às 12hs – Plano Físico/Elemento Terra, ou seja, use ervas regidas por este Elemento.

De duas em duas horas, a energia vital concentra-se em um meridiano determinado, quando os órgãos estão em pleno funcionamento e estes horários devem ser respeitados para equilibrar todo o sistema energético de uma pessoa, canalizando essa energia mais concentrada para meridianos com escassez de energia. Embora exista um fluxo energético constante e polarizado em cada canal de energia, sempre haverá, dependendo da hora do dia, uma quantidade maior de energia num dos canais, determinando o que se conhece como "relógio orgânico".

Pulmão - horário: 03 horas às 05 horas

Intestino Grosso - horário: 05 horas às 07 horas

Estômago - horário: 07 horas às 09 horas

Baço-Pâncreas - horário: 09 horas às 11 horas

Coração - horário: 11 horas às 13 horas

Intestino Delgado - horário: 13 horas às 15 horas

Bexiga - horário: 15 horas às 17 horas

Rim - horário: 17 horas às 19 horas

Circulação-Sexo - horário: 19 horas às 21 horas

Triplo-Aquecedor - horário: 21 horas às 23 horas

Vesícula biliar - horário: 23 horas à 01 hora

Fígado - horário: 01 hora às 03 horas.

 

Atuação das plantas medicinais no organismo

Cada erva tem uma maneira de atuação no organismo humano:

- Adstringentes – São aquelas ervas que diminuem ou impedem a secreção ou absorção;

- Alternativas: São aquelas que gradualmente restabelecem o funcionamento adequado do organismo e restabelecem a saúde, são também chamadas de “limpadoras do sangue”;

- Analgésicas Anódinas: São aquelas que aliviam a dor;

- Anticatarrais: São aquelas que eliminam o excesso de catarro do organismo;

- Anti-inflamatórias: São aquelas que reduzem a resposta inflamatória do organismo e podem ser usadas interna ou externamente;

- Carminativas: São aquelas que favorecem e provocam a expulsão de gases intestinais;

- Diaforéticas: São aquelas que provocam e favorecem a sudorese;

- Emenagogas: São aquelas que favorecem a menstruação;

- Eméticas: São aquelas que provocam e favorecem o vômito;

- Estimulantes: São aquelas que aceleram e reanimam o funcionamento fisiológico do organismo;

- Expectorantes: São aquelas que limpam o catarro dos pulmões; -

- Galactagogas: São aquelas que favorecem a secreção do leite;

- Hipnóticas: São aquelas que induzem o sono e não um transe hipnótico;

- Laxativas: São aquelas que promovem a evacuação dos intestinos;

- Nervinas: São aquelas que afetam o sistema nervoso, geralmente tonificando-o e fortalecendo-o;

- Sedativas: São aquelas que acalmam o sistema nervoso, reduzindo a ansiedade e a tensão de todo o corpo;

- Tônicas: São aquelas que fortalecem e reanimam órgãos específicos, ou todo o organismo;

- Vulnerárias: São aquelas que auxiliam a cicatrização e aumentam a velocidade de cicatrização de cortes e feridas.

As ervas são mágicas e usadas na cura do corpo físico, mental, emocional e intuitivo, e passa por diversos processor como: chá, ampolas, comprimidos, cápsulas, drágeas, compressas, óleos essenciais, tinturas, bem como cremes e pomadas para uso externo.  Ao manusear as plantas deve-se ter um cuidado especial, pois muitas são apenas de uso externo, bem como, muitas ervas são venenosas e podem causar doenças brandas ou graves e, em alguns casos, até a morte. Você nunca deverá tentar colher ervas selvagens para uso medicinal a menos que seja especialista ou esteja acompanhado de um Herbalista (pessoa que cultiva, vende, coleciona ou se especializa no uso de ervas), experimentado e treinado. Que a Mãe Natureza abençoe raízes, sementes, flores e frutos e que o Homem reconheça a importância que o “Reino Vegetal” tem para a Humanidade.

 

Plantas e suas propriedades

 

A

 

 ABACAXI (Ananas comosus) - Doenças respiratórias, garganta, bronquite, osteoporose, expectorante, depurativo e diurético, digestão e fígado.

 

 ABACATE (Persea americana) - Vermífuga e anti-hemorrágica, tonificante do couro cabeludo, problemas renais.

 

 ABÓBORA (Cucurbita) - Vermífugo, especialmente indicado para a verminose.

 

 ACEROLA (Malpighia glabra L.) - Fundamental para síntese de colágeno, proteína que dá resistência à pele, ossos, dentes, tendões e vasos sanguíneos, antioxidante, diminuindo a ação dos radicais livres sobre as células do organismo.

 

 AGONIADA (Plumeria lancifoliata) - Histerias, cólicas, menstruações difíceis e dolorosas e febres.

 

 AGRIÃO (Nasturtium officinale) - Diurético, expectorante.

 

 ALCACHOFRA (Cynara scolymus) - Antioxidante para o fígado., diabetes, afecções urinárias, obesidade, hipertensão, arteriosclerose e reumatismo.

 

 ALECRIM (Rosmarinus officinalis) - Antiespasmódico, tônico hepático.

 

 ALECRIM PIMENTA (Lippia sidoides) - Impingem, acne, escabiose, antiespasmódico e estomáquico.      

 

  

 ALHO (Alho (Allium sativum L.) - Antigripal, anti-inflamatória, antibiótico.

 

 ALFAVACA (Ocimum basilicum) - Digestivo, antipirético e antirreumático, antigripal, diurética e hipotensora.

 

 AMEIXEIRA (Prunus doméstica) - Tanto as folhas como o fruto, servem para soltar o intestino e regularizar as funções digestivas.

 

 AMORA (Morus alba L. ou Morus Nigra) - Diabetes, pedras nos rins, reposição hormonal, laxativa, sedativa, expectorante, refrescante, emoliente, calmante, diurética, anti-inflamatória, pressão sanguínea, tosse, inapetência, prisão de ventre, inflamação da boca, febre, dermatoses, eczemas, erupções cutâneas.

 

 ANDIROBA (Carapa guaianensis) - Elimina inflamações e dores superficiais, ação purgativa na eliminação de vermes, compressas e fricções, antiinflamatório, antibacteriano, cicatrizante, repelente de insetos.

 

 ANGÉLICA (Angelica officinalis, archangelica) -  Trato digestivo e na insuficiência de suco gástrico e problemas estomacais. Usada também nas dores de cabeça, dores reumáticas e em casos de nervosismo, depressão e ansiedade.

 

 ANIS ESTRELADO (Illicium verum) - Estimulante do sistema digestivo, calmante, diurético, cicatrizante, antiinflamatório e antiviral. Usado contra acidez estomacal, gases, diarreia e cólicas intestinais. Útil nas gripes e resfriados.

 

 ASSA PEIXE (Vernonia polyanthes Less, Bohemeria caudata) - Gripes, tosse persistente e bronquite, aliviando dores no peito e nas costas, diurético e elimina cálculos renais.

 

 AVEIA (Avena sativa) - Combate a astena, hemorroidas, dores reumáticas, estimula a energia física e aumenta a capacidade de concentração, arterioscleroses, ácido úrico diabete, hipertensão.

 

 

 AVENCA (Adiantum capillus veneris) - Combate males respiratórios como bronquite e tosse com catarro.

 

 ARNICA - (Arnica montana) - Hematomas e manchas roxas, dores, coágulos e manchas furunculose, acne, gota, tendinites e dores reumáticas.

 

 

 B

 

  BABOSA (Aloe vera) - Tônico estomacal e capilar, purgativo

 

 BÁLSAMO (Sedum praealtum) - Cicatrizante, combate gastrite.

 

 BARBATIMÃO (Stryphnodendron barbatiman) - Rica em tanino. Como tônica, a planta é usada em cozinhando-se a casca para combater hemorragias uterinas, catarro vaginal e diarreias.

 

 BARDANA (Arctium lappa) - Suas folhas são indicadas principalmente para a pele e como antibiótico, é ainda diurética, combate a diabetes, tem propriedades anti-inflamatórias, bactericidas, depurativas e cicatrizantes, além de agir no couro cabeludo tratando as dermatites descamantes.

 

 BERINGELA (Solanum melongena) - Colesterol e triglicérides no sangue, redução da glicose, intestino.

 

 BOLDO (Coleus barbatus) - Estimula a digestão e a secreção biliar, distúrbios intestinais e hepáticos, combate a prisão de ventre, alivia gases intestinais, fígado.

 

 BRINCO DE PRINCESA (Fuchsia corymbiflora Ruiz) - Timidez, conflitos emocionais, solidão.

 

 BUCHINHA-DO-NORTE (Luffa operculata) - Laxante, herpes e sinusite, neste último caso na forma de inalação.

 

  

C

 

CABELO DE MILHO (Zea mays) - Diurético, regula as funções rins e bexiga, ajudando a eliminar areias e pedras, equilibra a pressão arterial.

 

 CALÊNDULA (Calêndula officinalis) - Cicatrizante, estomacal, anti-séptico e antiinflamatório

 

 CAMOMILA - Má digestão, acalmar e reduzir a ansiedade, tranquilizante.

 

 CANA DO BREJO (Costus spicatus) - Excelente diurético, ajuda a eliminar pedras na bexiga. O chá é muito usado em casos de diabetes, nefrites e nas inflamações nos rins. Ajuda a combater a arteriosclerose. A raiz em pó serve de cataplasma para hérnias, inchaços e contusões. É muito usada nas picadas de insetos, coceiras, problemas da próstata, nas assaduras e alergias.

 

 CANELA (Cinnamomum zeylanicum Blume) – Diabetes, antibacteriano, antiespasmódico e anti-inflamatório, infeções das vias respiratórias, expectorante natural, fadiga, resistência ao stress, combate o colesterol digestão, diminuir o risco de câncer, diminui o apetite, reduz o acúmulo de gordura, afrodisíaca.

 

 CÂNFORA (Artemísia camphorata) - Antiinflamatório, compressas cataplasma.

 

 CAPIM- SANTO (Cymbopogoncitratus) - Calmante, estomáquico, hipotensor.

 

 CARAMBOLA (Averhoa carambola) - Diurético, pedras nos rins e na bexiga, combate febres e ameniza o diabetes.

 

 CARAPIÁ (Dorstennia arifolia) - Depurativo, estimulante digestivo e age contra anemia. A raiz é empregada como cataplasma para apressar a cicatrização de ossos fraturados.

 

 CARDAMOMO (Elettaria subulatu; cardamomum) - Digestivo, anti-séptico, diurético, laxante e expectorante.

 

 CARDO SANTO (Cirsium vulgare, Cnicus benedictus) - Funções digestivas. Indicado em problemas gástricos, indigestão, asma e catarro nos brônquios.

 

 CASCARA SAGRADA (Rhamnus purshiana) - Intestino, com a grande vantagem de não provocar cólicas nem diarreia.

 

 CASTANHA DA INDIA: (Aesculus hippocastanum) - Excelente tônico circulatório, ajuda a amenizar as dores nas pernas e a ativar a circulação, prevenindo acidentes vasculares.

 

 CARQUEJA (Baccharis trimera) - Tônico hepático, digestivo e diurético, digestão, cansaço físico, prisão de ventre, combater a gastrite, aliviar a azia, tratar anemia, fígado e rins, diabetes, inflamações urinárias, próstata, colesterol alto, gota, angina, desintoxicação e emagrecimento, funções genitais, diurético no organismo, asma, antibióticos.

 

 

CAVALINHA (Equisetum arvensis) - Anti-inflamatória, adstringente e revitalizante. Indicada como auxiliar no tratamento de problemas do aparelho genital-urinário, e também na menstruação excessiva, brônquios, limpando secreções dos pulmões e do sangue.

 

 CHAPÉU DE COURO (Equinodorus macrophyllus) - Depurativo, laxativo e estimulante da bílis. Reduz ácido úrico e reumatismo. Pesquisas demonstraram que o extrato aquoso tem atividade contra o agente causador da doença de Chagas.

 

 CEREJEIRA (Prunus avium) - Calmante, vermífugo, cálculos renais e da bílis, dores reumáticas, nervos, diarreias, sono, gripes, anginas do peito, garganta.

 

 CRAVO DE DEFUNTO (Tagetes minuta) - propriedades analgésicas, antiespasmódicas, antirreumáticas, antitussígenas, laxativas, purgativas, sudoríferas e vermífugas.

 

 GOIABEIRA (Psidium guajava) - Antibiótica e cicatrizante, podendo ser utilizada como remédio caseiro para úlceras gástricas ou de infecções, como a candidíase.

 

 COLÕNIA (Zingiberaceae) - Depressão, irritabilidade, insônia e angústia.

 

 CONFREI (Symphytum officinalis) - Planta cicatrizante, que não é recomendada para uso interno, pois contém princípios tóxicos. Ajuda na cicatrização de queimaduras e feridas.

 

 CIPÓ CABELUDO (Mikania hirsutissima) - Indicado em cólicas menstruais, nefrites, reumatismo e inflamações da bexiga. Suas folhas possuem óleo essencial, taninos, saponinas, resina e sais minerais. A planta é muito usada na prevenção da artrite.

 

 CIPÓ MIL HOMENS (Aristolochia brasiliensis) - Estimulante dos rins, fígado e baço, ajuda a amenizar cólicas intestinais e a febre. Usada contra picadas de cobras.

 

 

COPAÍBA (Copaifera officinalis) - Sistemas digestivo, intestinal, respiratório, circulatório e imunológico. É um ótimo antimicrobiano, além de diurético.

 

 CORDÃO DE FRADE (Leonotis nepetaefolia) - Dores estomacais, xarope para tosse e problemas respiratórios.

 

 

 

 

 

D

 

DAMIANA (Turnera aphrodisiaca) - Alcoolismo, anorexia, asma, bronquite, desordens respiratórias, depressão, dispepsias, desinterias, problemas dos rins e bexiga, dores de cabeça, impotência sexual, afrodisíaco e problemas da libido.

 

 DENTE DE LEÃO (Taraxacum officinale) - Estimular a produção de bile, ajudando assim na digestão das gorduras. Seus benefícios incluem ainda ação diurética e laxativa.

 

 DOURADINHA (Waltheria douradinha) - Diurético, é indicado nas inflamações da bexiga e ajuda a eliminar pedras. Usa-se em todas os problemas pulmonares, bronquite e tosse.

 

E

 

EMBAÚBA (Cecropia palmata) - Diurético, ameniza a pressão e regula a arritmia.

 

 ENDRO (Anethum graveolens) - Combater enjoo, irritação, inflamações da garganta, combate gases e cólicas.

 

 EQUINÁCEA (Equinacea angustifólia) - Considerada antibiótica e anti-inflamatória, bloqueiam células cancerígenas, antibiótico, fungicida.

 

 ERVA BALEEIRA (Cordia verbanacea) - Antiinflamatório, contra artrite, reumatismo, artrose, contusões e em todo tipo de inflamação, inflamações bucais, cicatrizante.

 

 ERVA DE BICHO (Polygonum acre, hydropiper) - Compressas, infusões, depurativa, adstringente e diurética, reumatismo, hemorragias, hemorroidas e varizes, desempenho cerebral e o raciocínio.

 

 ERVA DOCE (Foeniculum vulgare) - Antiespasmódica, estimulante, relaxante, vermífuga, antirreumática, relaxante muscular, fluxo menstrual, azia.

 

 ESPINHEIRA SANTA (Maytenus ilicifolia) - Úlcera e outros problemas estomacais como gases, má digestão, gastrite crônica e azia, males dos rins e fígado, tratamento de problemas da pele, como acnes, feridas e eczemas.

 

 EUCALIPTO (Eucalyptus globulus Labill) - Todas doenças respiratórias, pulmões, vasos nariz, brônquios, febre, ciático, gota, anti-séptico.

 

F

 FUCUS - alga - (Fucus vesiculosos) - Asma, doenças de pele, tireoide, diurética, depurativa do sangue e complemento mineral.

 

G

 

 

GARRA DO DIABO (Harpagophytum procumbens) - Anti-inflamatória, especialmente no tratamento da artrite reumatoide (inflamação de articulação), artrose, bursite, fibromialgia, dores musculares dos esportistas e tendinite.

 

GENCIANA (Gentiana lutea) - Estimulante digestivo, depurativa, indicada na falta de apetite, anorexia, problemas gastrointestinais, antitérmica e vermífuga.

 

 

GENGIBRE (Zingiber officinalis) - Estimulante gastrointestinal, anti-inflamatório que apresenta resultados contra o reumatismo e artrites, doenças respiratórias e problemas da garganta.

 

GERGELIM (Sesamum indicum) - Combate esgotamento nervoso e mental, ameniza o stress e a perda de memória, depressão, taquicardia e ansiedade.

 

GINKGO (Ginkgo biloba) - Estimulante da circulação, trombose, contra tonturas, zumbido no ouvido, artrite e cansaço nas pernas, vertigem, labirintite, deficiências auditivas, perda de memória e dificuldade de concentração.

 

 GERVÃO (Stachytarpheta jamaicensis) - Cicatrizantes, diuréticas, vermífugas, analgésica, antibacteriana, digestiva, afecções renais, distúrbios nervosos, afecções hepáticas e biliares, febre, bronquites crônicas, furúnculo, dores de origem reumática, cefaleia, contusão, debilidades orgânicas, furúnculos, hepatite, baço, machucaduras, prisão de ventre, tumores, vitiligo, rouquidão, resfriado.

 

 GINSENG (Panax ginseng) - Inibição do crescimento de células cancerígenas, circulação sanguínea, combate ao estresse, estímulo às funções sexuais.

 

GIRASSOL (Helianthus annuus) - adstringente, diurético e expectorante, febre, cataplasmas em feridas, inchaço, picadas de cobra e aranha, malária e doenças pulmonares, dores reumáticas.

 

 GRÃO DE BICO (Cicer arientinum) - Tônico para a memória, afrodisíaco, diabéticos, equilibra pressão arterial, o colesterol, anemia, intestino.

 

 GUACO (Mikania glomerata Spreng) - Picadas de cobra, bronquite, asma e tosse, cicatrizante de úlceras, feridas e para tratamento de varizes e coceiras.

 

 GUARANÁ (Paullinia cupana H.B.K.) - Combate o esgotamento físico e mental, depressão, funções cerebrais, atividades intelectuais, previne arteriosclerose e artritismo.

 

 GUINÉ (Petiveria alliacea) - Em razão de sua toxicidade, seu uso se restringe a aplicações externas contra dores nas articulações e reumáticas.

 

 

H

 

HAMAMELIS (Hamamelis virginiana) - Adstringente, diminui as secreções e ativa a circulação.

 

HELIOTRÓPIO (Heliotropium europaetum) - Antisséptico, cicatrizante e atenuador da febre, feridas, ativar a menstruação e estimular o funcionamento da vesícula biliar.

 

 HIBISCO (Hibiscus sabdariffa) - Digestão, aumenta a diurese e acalma os nervos, obesidade, anti-espasmódico, anti-inflamatório, redutor da hipertensão, antioxidante natural, afrodisíaco, diurético, laxante suave e auxiliar nas dietas de emagrecimento, bronquites, gripes e resfriados, gastrite e afecções da pele.

 

 HORTELÃ (Menta iperita) - Febre, vermes, espasmos, gases intestinais, sistema nervoso, inflamações uterinas,  resfriados, faringites, tosse e problemas de garganta, coceiras,  inchaços, dores de cabeça, rinite, conjuntivite, cólicas, diarreias e outros problemas estomacais, intestinais e respiratórios., chá é estimulante digestivo, anti-séptico, descongestionante nasal, anestésico e analgésico.

 

I

 

IPÊ ROXO (Tabebuia impetigens) - Antibiótico natural, analgésicas e anticoagulante, bronquite, asma e arteriosclerose, analgésico e como auxiliar no tratamento de doenças estomacais e da pele.

 

 INHAME (Cloacais escurenta) - Impurezas do sangue, rins e intestinos, ajuda a fortalecer o sistema imunológico, fertilidade das mulheres, sendo um alimento regulador, anti-anêmico.

 

IPECACUNHA (Psychotria ipecacuanha) - Anginas, úlceras e sífilis, diarreia causada por amebas, como expectorante pode ser útil em caso de gripe, bronquite e asma e também atua como adstringente e anti-inflamatório.

 

 J

 

 

JABUTICABA (Myrtus cauliflora.  - Asma, bronquite e catarro de peito, deficiência vitamínica, diarreia, processos inflamatórios de origem diversa, diversas dermatites e inflamação da pele, aceleração do metabolismo e queima de gordura corporal e, no bom funcionamento do sistema nervoso central. Gargarejo com a casca do fruto cozido serve para afecções da garganta.

 

 

 JABORANDI (Pilocarpus jaborandi) - Age nas glândulas salivares e sudoríferas, estimula as secreções gástricas, glaucoma, reumatismo, artrite, gota, hipertensão arterial e no tratamento de desordens respiratórias.

 

 JAMBOLÃO (Syzygium jambolanium) - Adstringente e auxiliar nos casos de diabetes, antioxidante e também, ação hipoglicemiante.

 

 JASMIM (Jasminum officinalis)  - Alivia o estresse e diminuir a ansiedade, a tensão e a exaustão nervosa, depressão, calmante e favorece um sono tranquilo, conjuntivite e problemas da pele, dores de cabeça e enxaqueca.

 

JATOBÁ (Hymenaea courbaril) - Vias respiratórias, vias urinárias e aparelho digestivo, bronquite, asma, tosse, coqueluche, laringite, inflamação da bexiga e próstata, cistite e flatulência, hemorróidas, fraqueza geral e vermífugo.

 

 JUÁ (Solanum viarum) - A casca é utilizada como dentifrício, os frutos são calmantes dos nervos e da azia. A raiz é diurética, ajuda a emagrecer, melhora as funções do fígado e bexiga.

 

 JURUBEBA (Solanum paniculatum) - Estimulante das funções digestivas, fígado e baço, insuficiência hepática e prisão de ventre, diurético e tônico, bexiga, inflamações do baço e icterícia, erisipelas e abcessos, hepatite.

 

 

L

 

 

LARANJA AMARGA (Citrus aurantium) - Gripes e resfriados, sudorífico, digestão, queima de estoques de gordura e auxilia no funcionamento do intestino.

 

 

 

LAVANDA (Lavandula angustifólia) - Analgésica, Anti-séptica, Antiemética, Antiespasmódica, Antiinflamatória, Antiperspirante, Aromática, Calmante, Carminativas, Cicatrizante, Desodorante e Tônica.

 

LINHAÇA (Linum usitatissimum) - Menopausa, tumores de mama e de ovário, equilíbrio hormonal durante a menopausa, antiinflamatório natural.

 

 

 

LÍNGUA DE VACA (Plantago major) - Alivia a dor em feridas, combate a inflamação e ajuda na cicatrização. Tem ação tônica e age nos casos de erupções cutâneas, blenorragia e coceiras.

 

LOURO (Laurus nobilis) - Usado contra má digestão, doenças de fígado e estômago, cólicas menstruais, para combater o cansaço e o reumatismo.

 

LOSNA (Artemisia absinthum) - Amargo estimulante gástrico, aumenta o apetite e é considerado afrodisíaco. Indicado contra doenças nervosas e falta de apetite.

 

 LÚPULO -FLOR (Humulus lupulus) - Digestivo e estimulante das funções hepáticas, tônico e estimulante, ativa a secreção salivar, biliar e gástrica em casos de dispepsias, hepatite crônica e aguda, antiespasmódico e favorece o fluxo biliar.

 

 

M

 

 

MALVA (Malva sylvestris) - Problemas respiratórios, favorece a cicatrização e processos gastrointestinais, com benefícios à pele, expectorante, emoliente, diurética e calmante. Indicada para problemas da garganta, dos brônquios e inflamações dentárias.

 

 MACIEIRA (Malus domestica) - Tônico, calmante, sonífero e diurético, antibacteriana, antiviral e anti-inflamatória, ativa o fígado e dissolve o ácido úrico.

 

MARCELA DO CAMPO (Achyrocline satureioides) - Estimulante que contribui para sistema digestivo, doenças do estômago, cólicas intestinais.

 

 MARAPUAMA (Ptychopetalum uncinatum A.) - Estimulante, combate à fadiga (cansaço), depressão nervosa, equilíbrio do sistema nervoso, fortalecimento do sistema imunológico.

 

 MANGERICÃO (Ocimum basilicum) - Inflamações na garganta, bem como aliviar febre e cansaço.

 

MARACUJÁ (Passiflora edulis) - Refrescante, sedativo, calmante, diurético, desinfetante, anti-inflamatório e depurativo, insônia e dores em geral, diabetes, asma e diarreia, vermífugos.

 

MASTRUÇO (Elidiu sativum) - Depurativo muito empregado em doenças pulmonares, como pneumonia, bronquite e raquitismo. Alivia hematomas e feridas.

 

 MELÃO DE SÃO CAETANO (Momordica) - Diabetes, eczemas na pele, feridas, picada de insetos, prisão de ventre., purifica o organismo de toxinas e resíduos.

 

 MELISSA (Melissa officinalis) - Calmante e sedativa, induz ao sono, crises nervosas, taquicardia, histerismo e depressão.  antiácido e tônico, sedativo, digestiva, age contra a insônia, enxaqueca, tensão nervosa, ansiedade e ajuda nos casos de traumatismo emocional.

 

MIL FOLHAS (Aquilea millefolium) - Febre alta, dores, reumatismo, varizes, insônia, pressão alta, má circulação, estômago e fígado.

 

 MIL HOMENS (Aristolochia triangularis) - Afecções cutâneas, problemas circulatórios, dormências e formigamentos, eczemas, frieira, feridas, cistite e anorexia.

 

 MORANGO (Fragaria vesca L) - Depurativo, vermífugo e diurético, retenção da urina e inflamação dos rins, azia, diarreia, reumatismo e gota.

 

 MULUNGU (Erytrina verna) - Calmante poderoso, analgésico e muito usado em manipulação, contrapressão alta. Também indicado contra insônia e ansiedade.

 

O

 

 

OLIVEIRA (Olea europaea) - Antioxidantes e minerais como potássio, magnésio, manganês, fósforo, selênio, cobre e zinco, que evitam a ação dos radicais livres promovendo uma ação revigorante no organismo, previne o envelhecimento.

 

 ORÉGANO (Origanum vulgare) - Estimulante das funções gástricas e biliares, sedativo e expectorante, indicado para resfriados, dores de garganta (gargarejos) e sua infusão alivia cólicas, é indicada no tratamento da tosse, dores de cabeça de origem nervosa.

 

 

 

P

 

 

 PARIETÁRIA (Parietária officinalis) - Rins, inflamações da bexiga, dissolve cálculos e alivia dores.

 

 PARIPAROBA (Piper umbellatum) - Resfriados, asma, fígado, baço, aliviando azia, úlceras e hemorróidas.

 

 PATA DE VACA - Entre as plantas mais utilizadas na medicina popular para o tratamento da diabetes estão as espécies do gênero Bauhinia (Fabaceae), popularmente conhecido no Brasil como “pata de vaca “.

 

 

PITANGUEIRA (Eugenia uniflora) - Antitérmico, analgésicas, antifúngicas, anti-inflamatórias, antioxidantes, antitumorais, antivirais, calmantes e laxantes.

 

 

POEJO (Mentha pylegium) - Bom para gripes e resfriados, no tratamento da bronquite, asma e tosse, rouquidão afecções gástricas. Digestivo, evita a formação de gases intestinais.

 

 

Q

 

 QUEBRA-PEDRA - Antitóxico e diurético, sendo indicado para a diluição de cálculos renais.

 

R

 

RABANETE (Raphanus sativus) - Vermífugo, expectorante e estimulante, digestão e previne contra cálculos renais.

 

 

ROMÃ - Antitóxica e digestiva, antiespamódica

 

 

S

 

 

SABUGUEIRO (Sambucus nigra) - Sudorífero nos processos gripais, resfriados, tosse, sarampo e caxumba. Elimina o ácido úrico, cálculos renais e toxinas do sangue.

 

SALVIA (Salvia officinalis) - Antiséptica, adstringente, digestão, gengivas inflamadas, aftas, dores e garganta e problemas das mucosas, fungicida, diabetes, sinusite.

 

 SALSA (Petroselium sativum) - Combate à cistite, nefrite, inflamação da ureta, icterícia, hidropsia, menstruação difícil, cólicas e problemas uterinos. Combate gases intestinais, estimula o apetite, facilita a digestão.

 

SALSSAPARILHA (Smilax salsaparrilha) - Depurativo do sangue, é usada como diurética, para combater a gota, ácido úrico e artrite e reumatismo. Ajuda a diminuir a dificuldade em urinar e a eliminar pedras nos rins e bexiga. Externamente é usada para lavar eczemas. Em doses elevadas pode provocar náuseas.

 

 SÂNDALO (Santalum album) - Acne e ressecamento, bronquite e cistite, hidratar e limpar a pele.

 

 SERRALHA (Sonchus oleraceus) - Anti-inflamatório, cicatrizante e diurético. Também aplicada nas anemias, reumatismo e afecções hepáticas.

 

 

SETE SANGRIAS (Cuphea carthagenensis; sin.: Cuphea balsamona) - Tem efeito sedativo do sistema nervoso central. É usada como auxiliar no tratamento da arteriosclerose, hipertensão e palpitações no coração. Popularmente é usada para tratar doenças venéreas e afecções da pele.

 

SUCUPIRA (Bowdichia virgilioides, sin.: Bowdichia major; Pterodon pubescens e Pterogyne nitens) - Articulações, dores na coluna, artrite, artrose, no combate a úlceras, gastrites, ácido úrico, aftas, amigdalite, dermatoses, auxiliar no controle da diabetes e contra vermes intestinais, inflamações do útero e ovários.

 

 SENSITIVA (Mimosa pudica L) - Afecções do fígado, prisão de ventre, inflamações da boca, garganta, dor de dente, cárie, reumatismos articulares ou tumores.

 

T

 

 TANCHAGEM (Plantago major) - Bactericida sobre as vias respiratórias em casos de inflamações, destruindo microorganismos e limpando secreções, diarréias e hemorragias pós-parto.

 

 TÍLIA (Tilia cordata) - Sudorífica, descongestionante e relaxante, febres, resfriados, bronquite, tosse e dores estomacais, dor de cabeça, enxaqueca e tensões nervosas.

 

 TOMATE (Licopersicon esculentum) - Reumatismo, fígado, purificador do sangue, antioxidante poderoso no combate aos radicais livres.

 

TOMILHO (Thymus vulgaris) - Anti-sépticas, antiespasmódicas, carminativas e vermífugas, digestiva e estimulante.

 

 U

 

UNHA DE GATO (Uncaria tomentosa) - Artrite, reumatismo, herpes e gastrite, gastrointestinais agente anti-inflamatório contra gripes e viroses.

 

 

URUCUM (Bixa orellana) - Gargarejos ajuda a tratar faringite e amigdalite. Externamente, na forma de lavagens e compressas, combate problemas cutâneos, erupções, queimaduras leves e celulite.

 

 URTIGA (Urtica dioica) - Ação vasoconstrição e depurativa, a urtiga é revitalizante, melhora a circulação sanguínea.

 

UVA URSI (Arctostaphylos urva ursi) - Inflamações renais e diarreias, tônicos e infusões diuréticas para tratamento de infecções nas vias urinárias, doenças venéreas, dores de costas, e excesso de peso.

 

V

 

 VALERIANA – (Valeriana officinalis) Ação sedativa ajuda a diminuir a atividade do sistema nervoso central e do cérebro, exercendo um efeito relaxante, ideal para aqueles que sofrem de insônia.

 

 VELAME DO CAMPO (Croton campestris) - Conhecido depurativos do sangue, usado contra reumatismo artrite, afecções da pele, eczemas e coceiras.

 

VERBASCO (Buddleja brasiliensis) - Expectorante, pulmões, bronquite e asma. É cicatrizante tópico nas hemorroidas.

 

 VERBENA (Verbena officinalis) - Fígado e do estômago.

 

Z

 

 ZIMBRO (Juniperus communis) - Limpeza dos rins, usado como depurativo para eliminar líquido do organismo, inclusive o excesso de ácido úrico, insuficiência renal crônica, contra cálculos renais, bronquite crônica, reumatismo, psoríase e como sudorífero.

 

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
Ultimas Atualizações
Intuição  (22-07-2019)
Textos para reflexão  (22-07-2019)
Mandalaterapia  (22-07-2019)
Al-Khymia dos Cristais  (22-07-2019)
Microcosmo Místico  (21-07-2019)
O Homem e a Oração  (18-07-2019)
Autobiografia Espiritual  (18-07-2019)
Angelographya  (03-03-2019)
Referências  (25-02-2019)

Rating: 2.6/5 (743 votos)




ONLINE
1




Partilhe esta Página